Inspiração para muitas vidas: Stella Rubio

Inspiração de Vida com Stella Rubio

Há histórias de mulheres que são inspirações para muitas vidas.

Independentemente da idade, elas estão sempre se reinventando e ressignificando suas vidas. Inspiração para nós, mulheres maduras.

Para a gente aprender e se sensibilizar com uma história de vida admirável, Cintia Yamamoto, Fundadora da Estilo 5.0+ convidou Stella Rubio para contar alguns de seus aprendizados, desafios e superação.

Vamos conhecê-la?

Stella Rubio é formada em Comunicação Social pela FAAP, tem mais de 30 anos de experiência na área de comunicação em agências de propaganda, promoção, marketing cultural e esportivo.

Atualmente é proprietária da Gaia Cultural, empresa que desenvolve e gerencia projetos culturais, esportivos e de responsabilidade social, especializada em Leis de incentivos de grandes empresas, ela soma mais de 20 anos de experiência neste segmento. Stella também foi fundadora da Gaia Oficina de Cultura.

Stella é esposa, mãe de 2 filhos, adora música, viajar, estar com a família, correr, caminhar e fazer ciclismo.

A vida é feita de escolhas – estudos, família, profissão, carreira

O ideal da Stella desde pequena era estudar História. Mas na verdade queria mesmo era ser arqueóloga.  Quando tinha 15, 16 anos, teve o contato com uma prima que trabalhava com áudio visual e se encantou. Inicialmente queria trabalhar com televisão, cursou a faculdade de comunicação social, com especialização em Rádio e TV, mas logo depois já foi trabalhar em agências de publicidade. Trabalhou em grandes agências como Ogilvy, BBDO, Almap, dentre outras.

Quando teve filhos achou difícil conciliar a carreira de publicitária com a de mãe. Naquele momento, sem internet, era muito difícil.

Então deu uma parada técnica de dois anos para cuidar dos filhos. E quando o segundo filho nasceu deu aquela vontade de voltar a fazer alguma coisa. E foi quando decidiu ir para a área cultural.

Stella tem uma grande amiga que trabalhava nessa área e a convidou a fazer alguns projetos com ela.

Ela estava fazendo um filme na época e foi quando iniciou nessa carreira cultural e aí que foi entender sobre as leis de incentivo, se aprofundar na área que passou a amar e fundou a Gaia, em 1999. Desde então não parou mais.

Essa área para ela é encantadora e então continuou fortemente. Como tinha um foco em leis de incentivo aprofundou seu conhecimento. Leis Federais de Incentivo:  Cultura, Esporte, Fundo do Idoso, Fundo da Criança e do Adolescente, Projetos Oncologia, Projetos PCD – Pessoas com Necessidades Especiais.

São diferentes leis que as empresas e as pessoas físicas podem ajudar com um percentual do seu imposto devido para apoiar esses projetos.

Há mais ou menos uns 6-7 anos passou a focar no 3º. Setor e no meio ambiente onde está hoje e cada vez mais empolgada. Ela acha que a idade não limita nada, pelo contrário, entende que essa troca intergeracional é extremamente positiva. Essa carreira do 3º. setor é onde ela quer ficar e fazer a diferença para muitos projetos.

Os desafios da mudança de carreira de funcionária para empreendedora

Na opinião da Stella, um dos maiores desafios é a perda da remuneração mensal que permite um melhor planejamento e o outro é a perda do contato com a equipe.

A última posição que teve foi como Diretora de Atendimento. Na época, trabalhava na agência Lew Lara. Sua vida era uma loucura: amamentando ia para a agência, voltava correndo e amamentava novamente e depois voltava para agência outra vez. Uma vez estava no carro com um fotógrafo e teve que parar em casa para amamentar. Outra vez, bateu o carro.

O fato do marido estar num momento profissional privilegiado permitiu equilibrar o orçamento doméstico. Uma lembrança que tem, de 1998, foi a falta que sentia daquele almocinho com as pessoas do trabalho, o contato com a equipe e ter um orçamento mais previsível. Mas, por outro lado, arriscar mais e as vezes ganhar mais, tem as suas compensações, reforça ela.

Leis de Incentivo – as pessoas e as pequenas empresas também podem usar

Stella explica que qualquer pessoa física ou jurídica pode se habilitar a participar de um projeto incentivado e estimular a cultura e projetos sociais, como Fundo do Idoso, da Criança, Oncologia ou PCD-  pessoas com necessidades especiais.

A premissa é fazer a sua declaração de Imposto de renda em modelo completo, ter importo a pagar e decidir aportar parte disso no projeto que quer incentivar.

Para pessoas jurídicas, o percentual é dividido  em 4% cultura, 1% esporte, 1% para idoso, 1% para criança e adolescente, 1% para oncologia, 1% para PCD, totalizando 9%. Então, 9% do imposto devido da empresa podem ser destinados a projetos incentivados, hoje, divididos desta maneira.

A pessoa física pode aportar 6% do imposto devido em qualquer um dos projetos mencionados, para adolescentes, cultura, etc. Ela dá alguns exemplos como no caso da Unimed MG e da Caixa Econômica que fazem um pool junto aos médicos e funcionários que querem aportar no Imposto de renda deles. Aí juntam a esse valor um percentual e aportam num grande projeto cultural e os médicos têm acesso a benefícios como ingressos, etc.

Aí você faz investimentos em cultura e em diversos projetos culturais e esportivos. Com o que você se identificar.

Como as pessoas ou empresas podem inscrever projetos para Leis de Incentivo

Stella explica que as pessoas ou empresas precisam se habilitar como proponentes e  podem ser pessoa física ou jurídica. No caso de pessoa física, tem que ter um curriculum que justifique ela estar fazendo um projeto cultural.

No caso de empresas que irão inscrever seus projetos, se habilitam e apresentam o projeto para a Secretaria Especial de Cultura, ligada ao Ministério do Turismo. A empresa inscreve o projeto. Não é difícil, mas é trabalhoso. No site da Cultura há o passo a passo detalhado do processo.

O interessado precisa fazer uma planilha muito bem-feita, justificar cada item, obter diferentes cartas de anuências de onde quer realizar o evento, teatro, parque, etc.  E tem que ter uma série de documentos para ter o pedido e a aprovação do projeto.  Bem detalhado. Há um comitê que faz a análise do projeto e aprova ou não.

Normalmente, a análise do projeto é muito técnica e assim para cada ministério. Então, no caso de esportes, o projeto deve ser inscrito na Secretaria de Esportes. No caso de criança, Assistência Social, PCD – no Ministério da Saúde.

Lembrando que a pessoa jurídica que está se habilitando a fazer o projeto deve ter na sua razão social algo que esteja ligado ao projeto que ela quer realizar, ressalta Stella.

Como conhecer os projetos incentivados para apoiar

Segundo Stella, às vezes é difícil encontrar um projeto disponível, mas a primeira coisa que ela recomenda é a pessoa escolher a causa que você quer apoiar antes de pesquisar e cita alguns exemplos:

Na área de incentivo cultural, se você gosta de teatro, a maioria absoluta é incentivada.  Pela Visa, há o projeto Vagalume que leva biblioteca para a Amazônia legal e faz contração de histórias. Ela tem Lei Rouanet, mas não comunica isso.

De incentivo a inclusão social para crianças e adolescentes, outros exemplos: Projeto Gol de letra do Raí, ou o Instituto Guga Kuerten, do Gustavo Kuerten e ainda o Instituto reação do medalhista Flavio Canto. Eles têm Lei do Esporte.

Hoje há diversos sites para você pesquisar na causa que escolher. Você pode acessar, por exemplo, o site Eu Apoio com mais de 70 projetos.  Através desse site você pode fazer a sua doação incentivada, destaca Stella.

EuApoio é uma plataforma única de doações que possui uma seleção de ONGs que atendem aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável brasileiros definidos pela ONU.

Visa Causas – ajudando várias causas, inclusive a de Idosos

Visa Causas é um programa da Visa do Brasil que tem como objetivo ajudar causas e instituições cadastradas nesse projeto através de doações   https://vaidevisa.visa.com.br/vdv/causas

Às vezes as pessoas ficam desconfortáveis quando vão se inscrever e não entendem porque é necessário incluir uma série de dados pessoais, aqui a Stella explica o porque:

  • O Visa Causas é um projeto com atuação mundial e é um sucesso que está fazendo a diferença para os projetos que ela apoia. Quem faz a doação é a Visa.
  • O portador do cartão só precisa se inscrever, optar se será pelo cartão de débito ou crédito e escolher a instituição ou o segmento que quer apoiar. Hoje são 5: educação, saúde, animais, idosos e criança e adolescente. Em breve, terão mais 3 causas: Meio ambiente, Equidade Racial e LGBTQIA+.
  • A Visa precisa pedir alguns dados do cartão porque a entidade que tem os dados é a Instituição Financeira que emite o cartão, não a Visa.

Todas as instituições participantes do Visa Causas são muito sérias e fazem um trabalho incrível. Stella chama a atenção para que as pessoas entendam que com muito pouco se faz muita diferença.

Há muitas organizações ligadas a equidade racial que são muito legais. E principalmente ligadas a mulher. Idem para LGBTQIA+ devido à dificuldade de as pessoas entrarem no mercado de trabalho.

Ela dá um exemplo de uma escola de dança, OSCIP – Organização da sociedade civil de interesse público, para acolher os meninos que querem fazer balé e sofrem preconceito até mesmo das próprias famílias. Assim como esta há uma série de organizações que querem fazer a diferença em diferentes áreas.

A causa pessoal da Stella é a de Refugiados. Mas se sensibiliza muito com a do Idoso e ressalta que é a causa que tem mais dificuldade de conseguir apoio. Um dos projetos é o Projeto Velho Amigo, que inclusive é muito interessante porque apoia outras instituições. Novamente, é muito comovente ver o pouco que você faz e a diferença que faz na vida das pessoas.

Stella explica que o Fundo do Idoso, que é uma das leis mais novas e é uma lei de benefício federal em cima do I.R., só que é administrada municipalmente. Há municípios que querem atividades para o idoso, outros querem capacitar para geração de renda. Cada município tem objetivos diferentes. E tem a liberdade de criar suas próprias políticas.

São projetos realmente impactantes.

Lembrem-se: Se você tiver o seu imposto de renda sobrando, 6% podem ser doados e investidos em  vários projetos.

Mudanças do governo federal e impactos

Segundo Stella, de acordo com as mudanças:

  • projetos ligados a diversidade racial, como negros ou indígenas, são de ideologia, mas ela explica que não é isso. O objetivo desses projetos é gerar renda para essas comunidades.
  • Museus que não sejam federais não receberão os benefícios de um projeto incentivado, ou receberão um valor muito menor. O teto do valor diminuiu bastante. O limite para um projeto médio é de R$ 500.000,00 que é inviável quando se pensa em fazer uma grande exposição.
  • o mesmo investidor não poder investir mais de 2 anos no mesmo proponente que pode trazer risco para a continuidade de projetos.

A ideia da mudança é reduzir os grandes valores e pulverizar mais. Mas, na opinião de Stella, podem não conseguir atender nem uma coisa, nem outra. Muitas coisas da resolução normativa não estão claras e entende que há muito ajuste a ser feito.

Gaia Cultural – um brilho no olhar para Projetos Sociais e de Meio Ambiente

Stella comenta que desde o início do seu empreendedorismo, o objetivo foi captar recursos para projetos culturais. Captar patrocínios, formatar projetos.

Mais recentemente, por volta de 2015/2016, começou a olhar mais para projetos socioculturais.

Um exemplo é o Projeto Artesol – artesanato solidário que foi criada pela Dona Ruth Cardoso para capacitar e gerar renda para artesãs no Brasil inteiro. O nosso artesanato é riquíssimo. Temos a influência indígena, africana e dos europeus e um bioma incrível que oferece muitas oportunidades.

A Dona Ruth Cardoso criou a Artesol para fomentar o artesanato de raiz. Os artesãos são os que melhores cuidam da floresta, do bioma e preservam a cultura. Mas isso só é possível se houver a geração de renda. O projeto faz isso, a capacitação, gera renda e inclusão digital. Muitos projetos têm indígenas que vendem seus produtos por WhatsApp. Isso perpetua e através da globalização da rede até exportar as rendas, os trançados de palha e o artesanato brasileiro. Muito enriquecedor. Saiba mais acessando: https://www.artesol.org.br/

Outro exemplo é a campanha Menos Um Lixo: Eu apoio o oceano. Várias organizações como o Projeto Tamar, SOS Mata Atlântica, entre outros se uniram para fazerem esse trabalho de limpeza das nossas águas.

Enfim,  Stella descreve que seu desafio continua sendo a captação de recursos para projetos, mas com um brilho no olhar para projetos sociais e de meio ambiente, identificando empresas que queiram investir e ser protagonistas dessas iniciativas!

Comentários da Stella para as mulheres 50+

Desafios no mercado de trabalho – Stella Rubio fez o seu depoimento para o Dia Internacional da Mulher onde comentou que espaço no mercado de trabalho ainda é o nosso principal desafio. A mãe de uma amiga dela minha tinha que pedir autorização no cartório para poder trabalhar fora. É uma coisa inacreditável e não faz tanto tempo assim.

Quando ela diz que a gente tem aí uma batalha é porque muitas vezes as mulheres são cortadas pelo machismo cultural. Eles nem percebem, mas acontece. Mas, ao mesmo tempo as mulheres estão conquistando cada vez mais. E hoje podemos optar. Se ela quiser ser só dona de casa e mãe dos seus filhos, maravilha. A mulher ganhou muito nisso. Ter opção. Trabalhar onde quer, onde acha importante e se dividir melhor. Hoje a mulher tem esse privilégio de poder optar. Ainda há um caminho longo a percorrer. Hoje ainda é muito raro mulheres em conselho de empresas ou na direção de empresa, mas estão percorrendo esse caminho. E conquistando. Cada vez mais consistentemente. É o desafio e é a conquista.

Continuar se desafiando e se reinventando – Stella acha que com 50 anos estamos começando a vida. Ela nunca gostou de comemorar o seu aniversário. No ano passado completou 60 anos e ficou muito feliz com os seus 60 anos. Ela recomenda: continue se desafiando, com sonhos, que nunca é tarde. Correr atrás. É muito entusiasmada com relação a isso. Começou a correr, a pedalar, com 50 e poucos anos. Achava que não ia conseguir correr nada, mas já corre 10 km. A bicicleta também foi uma descoberta, pedala 60 km. A mulher tem essa capacidade de se reinventar e começar novos desafios após os 50 anos.

Trabalho Voluntário em Projetos Incentivados – Ela dá a dica para quem quiser saber mais sobre leis de incentivo e participar não só com recursos, mas com trabalho voluntário, mentoria ou palestras para a garotada, pode entrar em contato que terá o maior prazer em conversar.  Segundo ela, todo esse conhecimento é muito válido para inspirar tantas outras pessoas.

Contato da Stella Rubio:  e-mail: stella@gaiacultural.art.br

Assista o bate papo integral da Fundadora da Estilo 5.0+, Cintia Yamamoto, com Stella Rubio. Acesse:

Venha participar da jornada da revolução da Longevidade com a gente!

  • Inscreva-se no nosso Canal do Youtube, dê um like e ative o sininho para receber as notificações de novos vídeos!
  • Continue acompanhando o nosso site!
  • Siga nossas páginas no Instagram e Facebook.

Um abraço!

Time Estilo 5.0+

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.