A importância do assoalho pélvico na Maturidade

A importância do assoalho pélvico na maturidade

Está mais do que provado que a prática de exercícios físicos é fundamental para envelhecermos com saúde e a autoestima elevada.

Independentemente da idade, sempre é tempo para começar!

Todos os músculos do nosso corpo devem ser exercitados. Hoje vamos falar um pouco sobre o assoalho pélvico que muita gente desconhece e porque ele é composto por diferentes tipos de tecidos e, quando enfraquecido, pode causar complicações como por exemplo a incontinência urinária e impactar a nossa vida sexual.

Assoalho Pélvico, um ilustre desconhecido

O assoalho pélvico é a região inferior à pelve, composto de músculos e ligamentos, responsável pela sustentação de órgãos (útero, bexiga, uretra, reto) e tecidos, além de estar diretamente relacionado à capacidade de controlar a urina, as fezes e os gases.

Em entrevista ao jornal Estadão, de 25.03.2023, Amy Park, Chefe de Medicina pélvica da Clínica Cleveland, nos Estados Unidos, declarou que muita gente nem sabe que esses músculos existem– pelo menos não até que parem de funcionar adequadamente.

Segundo a médica, os músculos do assoalho pélvico podem ser os mais importantes e que você nunca trabalha especificamente durante um treino.

Como um trampolim que fica na base da pélvis, esses músculos contribuem para a força geral do núcleo.

Embora não sejam visíveis, são vitais para tudo, desde as funções básicas no banheiro até a saúde sexual, sentar e ficar de pé – e podem se beneficiar de um programa de condicionamento físico com exercícios simples que as mulheres devem realizar regularmente, recomenda a Dra. Amy.

O enfraquecimento da região costuma ocorrer em momentos específicos da vida, como durante o envelhecimento, na menopausa, na gestação e após o parto ou ainda em casos de obesidade e de subutilização da musculatura.

O enfraquecimento e as alterações dessa musculatura interferem na qualidade de vida, no bem-estar físico, mental e social das pessoas, mas todas as disfunções comuns (incontinência urinária e fecal, dor na região íntima, aparecimento de hérnias) podem ser evitadas e tratadas com o fortalecimento através de exercícios simples.

 O papel dos exercícios na saúde pélvica

O papel dos exercícios na saúde pélvica é possibilitar um trabalho completo e funcional da região. Muitas práticas são bem-vindas para fortalecer o assoalho pélvico, especialmente a fisioterapia, que costuma ter exercícios direcionados a um trabalho de consciência corporal, o que ajuda a ter melhor controle geral da musculatura.

O mesmo ocorre em atividades como pilates e ioga, que focam a contração, o aumento da força muscular e a mobilidade corporal.

Em resumo, exercícios direcionados para a região pélvica são responsáveis pelo aumento do tônus e da força muscular na área. Para isso, devem ser feitos com regularidade e de forma apropriada, com um bom número de séries e repetições.

O primeiro passo é identificar o músculo pubococcígeo (PC). Uma forma de fazer isso é ao esvaziar a bexiga: na hora de urinar, tente segurar o jato de urina e perceber a ação do PC, quando terminar, volte a tentar fazer a contração para se certificar de que o identificou.

A partir daí, pode-se praticar alguns exercícios com foco no fortalecimento dessa musculatura, que é a principal do assoalho pélvico. Para ajudar, listamos três exemplos práticos.

  • Exercício 1: deite-se em um colchonete ou em uma superfície plana. Abra as pernas até, mais ou menos, a altura dos ombros e, então, relaxe os glúteos e o abdome, contraindo apenas o músculo pubococcígeo. É possível, ainda, fazer um movimento de sucção com a vagina, contraindo o músculo para cima e para cima e para dentro, depois relaxando.
  • Exercício 2: deite-se com a barriga para cima e os joelhos dobrados. Contraia os músculos da pelve, elevando o corpo, mas mantendo pés e braços no chão. Permaneça na posição por até dez segundos e volte lentamente.
  • Exercício 3: fique na posição de quatro apoios, com joelhos e palma das mãos no chão. Inspire e eleve as costas, formando um arco, contraindo os músculos da pelve. Mantenha-se dessa maneira por cinco segundos a dez segundos, depois relaxe devagar.

Faça ao menos três séries de dez repetições para cada exercício. Isso pode ser feito de forma conjunta, no mesmo dia, ou com foco em um único movimento por dia, conforme preferir.

Caso sinta qualquer desconforto, interrompa a prática e procure ajuda profissional. Além disso, lembre-se de que há casos em que apenas o exercício não é suficiente para manter ou restaurar a saúde do assoalho pélvico, sendo necessária orientação médica para novas terapias.

Vamos viver a maturidade com saúde e disposição?

Se quiser saber mais sobre esse e outros temas para as Mulheres 50+ interessadas, conectadas e curiosas:

  • Inscreva-se no nosso Canal do Youtube, dê um like e ative o sininho para receber as notificações de novos vídeos!
  • Continue acessando o nosso site.
  • Siga nossas páginas no Instagram e Facebook.

Venha participar com a gente da revolução da longevidade, interagindo e sugerindo conteúdos que vocês gostariam de ver em nossos canais!

Um abraço!

Time Estilo 5.0+

 Fontes:

Caderno Bem-Estar O Estadão – edição impressa de 25/03/2023 e Estadão de 27.04.2023 – https://summitsaude.estadao.com.br/saude-humanizada/como-melhorar-o-assoalho-pelvico/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *